Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Todos os caminhos vão dar Aroma! ☕
Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Carrinho 0

Monsooned Malabar da Índia

India Monsooned Malabar



As características do café | As designações do café | A origem do café | O rótulo: O elefante na Índia


As características do café
Este café do sudoeste da Índia tem uma acidez muito ligeira e notas de frutos secos e chocolate preto claro. Uma mistura das variedades de arábica Kent, S.795, Catimor e Selecção 9 de grau "AA" foi preparada utilizando o processo Monsooned. Este café de especialidade deve o seu carácter exuberante ao clima das monções. Entre os amantes do café, o Monsooned Malabar da Índia já deixou de ser um segredo. É muito popular devido à mistura dos seus sabores, por um lado, e à sua baixa acidez, por outro.

As designações do café
As variedades de arábicaa utilizadas para o Malabar Monsooned são designadas Kent, S.795, Catimor e Selection 9, todas elas excelentes variedades arábicas tipicamente utilizadas na Índia. O termo "preparação monsooned" refere-se a um processo especial de exposição do café aos ventos quentes e húmidos das monções, durante vários dias após a colheita. Na Índia, o grau "AA" é o de melhor qualidade e corresponde ao tamanho das peneiras: 18,5 - 20, ou seja, os maiores tamanhos possíveis (excepto para a variedade "Maragogype"). Este café é um café de especialidade, tal como é definido pela Specialty Coffee Association (SCA), em que um café deve atingir, no mínimo, 80 pontos na escala de classificação.

A origem do café
Nos primórdios da navegação marítima, os navios à vela, de madeira, demoravam cerca de seis meses a chegar à Europa (Londres), pois tinham de contornar o Cabo da Boa Esperança. Devido às condições climatéricas extremamente diversas durante o transporte, o café alterava as suas características originais: forma, cor, tamanho e, também, sabor. Após a invenção da navegação a vapor e da construção do Canal de Suez, estas alterações no café verde desapareceram, e os ingleses começaram a queixar-se das diferenças.

Assim, os produtores de café indianos decidiram replicar artificialmente esse processo de alteração do café verde que tinha lugar durante as travessias marítimas anteriores. Com esse fim em vista, ainda hoje utilizam as condições climatéricas extremas das monções na costa ocidental do país. O clima quente e húmido da monção provoca essas alterações qualitativas no grão de café e produz um perfil de sabor único. O processo de aproveitamento das monções consiste em expor os grãos naturais de café, dispostos em camadas de cerca de 10 a 15 cm de espessura em armazéns bem ventilados, aos ventos quentes e húmidos das monções. Este processo é realizado na costa ocidental da Índia, utilizando os ventos do Mar Arábico durante os meses de monção do sudoeste, de Junho a Setembro.

A área de cultivo

Malabar Coast

O café Monsooned Malabar é oriundo do sudoeste da Índia, da província de Malabar. O clima equatorial húmido que prevalece nesta região é propício ao cultivo do café. O café proveniente destas plantações está entre os melhores cafés da Índia. A altitude de cultivo situa-se entre 1.000 e 1.400 m acima do nível do mar. A quinta do nosso café, da empresa TATA, está localizada perto da cidade de Mangaluru (até 2014: Mangalore). Trata-se de uma importante cidade portuária no sudoeste do estado indiano de Karnataka, com uma população de cerca de 500.000 habitantes.


Como o café chegou à Índia: Baba Budan - ou o “produto quente” do Oriente
Baba Budan – a lenda de um santo sufi islâmico que viveu na Índia do século XVI e se apaixonou pelo café, uma bebida que não existia na sua Índia natal, durante uma peregrinação através do Médio Oriente. Nessa época, a exportação de café, especialmente de sementes de café germináveis, era punível com a morte! Baba Budan aceitou esse elevado risco e contrabandeou o número sagrado de sete grãos de café germináveis do Iémen para a Índia, pois já não queria passar sem o seu café.

De volta à Índia, Baba Budan plantou estes sete grãos no seu jardim, não muito longe das serras sempre verdes e cobertas de flores de Chikmagalur. E foi aí que a grande tradição do café indiano floresceu. Em sua homenagem, a segunda montanha mais alta do estado indiano de Karnataka e toda a cadeia montanhosa a que pertence receberam o seu nome: Baba Budan Giri (anteriormente: Chandra Drona Parvatha). Ambas estão localizadas no distrito de Chikkamagaluru. A cordilheira faz parte dos chamados Ghats Ocidentais, que se estendem desde Gujarat, no norte, até Kerala e Tamil Nadu, e têm uma extensão de cerca de 1.600 km.

Link para o meu relatório
Inglês:
Baba Budan and the seven wonder seeds
Alemão: Baba Budan und die sieben Wundersamen (Baba Budan e as Sete Sementes Maravilhosas)

O rótulo: O elefante na Índia
Na cultura e mitologia hindu, os elefantes são considerados símbolos sagrados de paz, força e poder espiritual, removedores de obstáculos e portadores de prosperidade, sorte, sabedoria, memória e vitalidade. Um dos deuses hindus mais populares na Índia é Ganesha, um jovial deus da fortuna com cabeça de elefante, muitas vezes dado a brincadeiras e partidas. É considerado o opositor do mal e dos obstáculos, o deus do sucesso, da educação, da sabedoria e do conhecimento. Ganesha é filho de um casal de deuses, Shiva e Parvati.

Pelo poder do deus criador Brahma, nasceu Airavata, o primeiro elefante divino, que viria a ser a montaria da divindade Indra. Tal como o elefante Airavata pertencia à deusa Indra, o elefante em geral era propriedade dos reis indianos. Em cortejos cerimoniais de estado, representavam o trono simbólico do rei, e na guerra são a torre de vigia e a cidadela da qual o rei determina a estratégia da batalha. No entanto, a sua principal função consiste em convocar os seus parentes sobrenaturais, as nuvens, os elefantes celestiais, daí que os reis hindus tenham mantido elefantes para benefício dos seus súbditos.

 

TOP