Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Todos os caminhos vão dar Aroma! ☕
Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Carrinho 0

Sabor do Brasil - Café do Brasil


Aqui encontra uma documentação informativa e bem ilustrada sobre o cultivo do café no Brasil: 
Uma visita ao Café


 

 As regiões produtoras de café no Brasil

 

Café do Brasil - Café Aroma
Imagem com cortesia do BSCA, Varginha, Minas Gerais, Brasil




Brasil é um dos principais produtores de café do mundo, sempre figurando no topo da lista dos países que mais cultivam e comercializam esse grão tão valorizado. O Café do Brasil é um produto muito apreciado por especialistas nessa bebida, por conta de sua qualidade, mas também por sua variedade de sabores e aromas. Várias regiões diferentes do país produzem cafés únicos e com características específicas de seu solo, clima e cultivo. Graças à propagação do cultivo de café em grandes partes do país, muitas variedades diferentes de café são plantadas no Brasil. A área de cultivo disponível ascende a 2,4 milhões de hectares, dos quais cerca de 75% são utilizados para o cultivo de café Arábica. O Brasil é o segundo maior produtor de café Canephora do mundo, depois do Vietname.

As principais regiões produtoras de café do país são: Mogiana Paulista, Sul de Minas, Cerrado de Minas, Matas de Minas, estas três últimas estão todas localizadas no estado de Minas Gerais, que por si só representa 53% da produção nacional, como também Bahia, Paraná, Espírito Santo e Rondônia. O cultivo de cafés da mais alta qualidade concentra-se nas regiões do Sul de Minas, Cerrado de Minas e Mogiana Paulista.

São Paulo
São Paulo sempre foi um nome forte quando o assunto é Café do Brasil. O estado de São Paulo é um dos mais tradicionais no cultivo de café. Sua produção é exclusivamente de Arábica, distribuída em duas regiões: Mogiana e Centro-Oeste Paulista, que alternam fazendas com pequenas propriedades e produzem cafés especiais em áreas específicas. São Paulo abriga o porto de Santos, que escoa cerca de 2/3 das exportações de café do Brasil.

São Paulo - Mogiana Paulista
O Norte de São Paulo é uma das regiões mais tradicionais e culturais para o cultivo de café, com uma prática que já dura mais de 200 anos. Ela pode ser dividida em Alta Mogiana (que conta com municípios como Franca, Patrocínio Paulista e Batatais) e Média Mogiana (Espírito Santo do Pinhal, Santo Antônio do Jardim e São João da Boa Vista). Em Alta Mogiana o café (grão Arábica) é bastante frutado, com corpo cremoso e acidez média, com toques de caramelo, chocolate e nozes. Em Média Mogiana o café (também feito com grão Arábica) é adocicado, com corpo cremoso, boa acidez e notas de chocolate e castanha. Apenas o café Arábica é produzido aqui em solos arenosos, a uma altitude entre 800 e 1.000 metros. O café é conhecido pelo seu corpo distinto, aroma fino e doçura natural.
  • Altitude média: 800 a 1.000 metros
  • Principais variedades de Arábica cultivadas: Mundo Novo e Catuaí
  • Cidades da região de cultivo: Altinópolis, Batatais, Buritizal, Cajurú, Cristais Paulista, Franca, Itirapuã, Jeriquara, Mococa, Patrocínio Paulista, Pedregulho, Restinga, Ribeirão Corrente, Santo Antônio da Alegri, Tambaú, Tirapuã.


São Paulo - Ourinhos e Avaré
Outra região produtora de café em São Paulo é a que fica entre os municípios de Ourinhos e Avaré. Lá o grão produz bebidas elegantes, cítricas, com aromas de ervas frescas e levemente adocicados.

Minas Gerais
Junto com São Paulo, Minas Gerais é outro estado que leva a produção de café em sua tradição. Várias microrregiões produzem grãos com características únicas e muito valorizados em todo o mundo.

 

Direcção Sul de Minas
Direcção Sul de Minas



Minas Gerais - Sul de Minas
A microrregião do estado que fica mais próxima de São Paulo é a maior produtora de café do Brasil e representa mais de 70% da produção de Minas Gerais. Lá, o clima e o relevo são favoráveis para a produção do grão Arábica, que conta com acidez equilibrada, bom corpo, notas florais e cítricas, além de doçura característica.

  • Principais variedades de Arábica cultivadas: Catuaí e Mundo Novo são predominantes, mas Icatú, Obatã e Catuaí Rubi são também cultivadas em maior escala.
  • Cidades da região de cultivo: Alfenas, Alpinópolis, Andradas, Fama, Guaxupé, Itajubá, Itamogi, Muzambinho, Paraguaçu, Passos, Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí, São Sebastião do Paraíso, São Tomás de Aquino, Três Corações, Três Pontas, Varginha.

Minas Gerais - Cerrado de Minas
O cerrado de Minas abrange municípios localizados na região do Noroeste e do Triângulo Mineiro, como Patrocínio, Patos de Minas, Araxá e Araguari. A região do Noroeste, inclusive, foi a primeira zona produtora de café do país a conquistar a Denominação de Origem (DOC) para essa bebida. O grão produzido na região produz cafés bem equilibrados, com aroma intenso, acidez delicada e notas de caramelo, chocolate e nozes.
  • Altitude média: 800m
  • Principais variedades de Arábica cultivadas: Mundo Novo e Catuaí.
  • Cidades da região de cultivo: Araguari, Araxa, Campos Altos, Carmo Paranaíba, Coromandel, Guarda-Mor, Monte Carmelo, Patos de Minas, Patrocínio, Sacra-mento, Unaí.

Minas Gerais - Matas de Minas
Na parte de leste do estado, a região de Matas de Minas (com municípios como Diamantina, Viçosa e Araponga) produz um café tipo Arábica com status de especial – e por isso muito exportado para destinos na Europa, Ásia e América do Norte. Os grãos produzem uma bebida bem encorpada, com acidez acentuada, doçura também marcante, aroma de chocolate e sabor cítrico.
  • Principais variedades de Arábicas cultivadas: Catuaí (80%), Mundo Novo, mas também outras.
  • Cidades da região de cultivo: Alto Caparaó, Araponga, Caratinga, Dom Viçoso, Ervália, Luiz Burgo, Manhuaçu, São João do Manhuacu.


Uma pequena micro-região no centro do estado de Minas Gerais em torno da cidade de Capelinha chama-se Chapada de Minas.

Bahia
Um estado que começou a participar da produção de café "recentemente" (na década de 1970), a Bahia é hoje responsável pela produção de grãos muito especiais. São duas as regiões produtoras de café no estado: Planalto da Bahia e Cerrado da Bahia, onde se cultiva Arábica. Ao sul do estado também há áreas onde se produz café Conilon (Robusta). Na região da Chapada Diamantina, especificamente, são produzidos grãos do tipo Arábica. Por conta das características de seu terreno e clima lá é desenvolvido um café mais encorpado porém adocicado e aveludado, com toques cítricos e final prolongado.

Bahia
Bahia


Bahia - Cafés Arábicas (75%)

  • Altitude média: 850 metros
  • Principais variedades de Arábicas cultivadas: Catuaí (95%).
  • Cidades da região de cultivo: Barreiras, Brejões, Chapada Diamantina, Ibicoara, Luis Eduardo Magal-hães, Mucugê, Piatã, Poções, Vitória da Conquista.

Bahia - Café Canephora / Conilon (25%)
  • Altitude média: 100 - 200 metros
  • Variedade Canephora cultivada: Conilon Clonal (= Variedade Conilon geneticamente modificada. De 1985 a 2013, foram desenvolvidas oito variedades diferentes de Conilon para o estado do Espírito Santo).
  • Cidades da região de cultivo: Eunápolis, Itabela, Itama-raju, Prado.


Paraná
A produção de café do Brasil na região do Paraná começou na década de 50, mais especificamente no norte do estado. A qualidade do produto oferecido é garantido pelas fortes associações e cooperativas de produtores de café do estado e, por isso, o Paraná produz um grão muito valorizado no mercado. Esse café é geralmente mais doce, com acidez e corpo médio, além de notas de caramelo e chocolate.

Dividida pela região de Arenito Caiuá no noroeste e Norte Pioneiro no nordeste do estado, toda a região tem altitudes entre 400 e 900 metros. O Paraná foi o maior produtor de café do país até 1975, quando a "geada negra" destruiu todas as plantas de café do norte do Paraná. O nome vem do facto de que a repentina onda de frio deu primeiro pontos negros às plantas e depois estas morreram rapidamente. Depois disso, muitos agricultores no norte do Paraná substituíram o café por soja e trigo. Uma característica especial e prática comum após esta catástrofe climática no Paraná é que hoje em dia o método de colheita selectiva é utilizado nas restantes áreas de café - isto aumenta os custos, mas melhora consideravelmente a qualidade do café.

  • Altitude média: 700 metros (Arenito Caiuá: 400 metros | Norte Pioneiro / Apucarana: 900 metros)
  • Principais variedades de Arábica cultivadas: Mundo Novo e Catuaí
  • Cidades da região de cultivo: Assai, Ibaiti, Jacarezinho, Pinhalzinho, Santo Antônio da Platina.


Espírito Santo
O Espírito Santo é um dos maiores produtores de café do país, junto de Minas Gerais e São Paulo. O cultivo do grão se adaptou bem às características da região montanhosa e desenvolveu um tipo de café mais encorpado e complexo, com acidez elegante e delicada, porém com doçura marcante. Actualmente, Espírito Santo é a região mais importante do cultivo de canephora brasileira, com uma quota da produção de conilões a nível nacional de cerca de 25%. Os melhores cafés vêm da zona denominada "Cafés de montanhas do Espírito Santo". A área de produção do café Arábica está localizada na parte sul do estado, enquanto que a do café Canephora está mais na parte central a norte.

Espírito Santo - Cafés Arábica (27%)

  • Altitude média: 700 a 1.000 metros
  • Principais variedades de Arábica cultivadas: Mundo Novo e Catuaí.
  • Cidades da região de cultivo: Brejetuba, Iúna, Marechal Floreano, Santa Maria do Jetiba, Venda Nova do Imigrante.


Espírito Santo - Café Canephora / Conilon (73 %)

  • Altitude média: 100 a 300 metros
  • Variedade Canephora cultivada: Conilon (Canephora Conillonis).
  • Cidades da região de cultivo: Aguia Branca, Colatina, Linhares, Nova Venecia, Rio Bananal, São Gabriel da Palha, São Mateus, Vila Valério.


Rondônia
O estado de Rondônia se localiza na região norte do país. Com uma produção anual de aproximadamente 2 milhões de sacas, o estado produz exclusivamente café Conilon (Robusta). A cafeicultura é tradicional e familiar, com pequenas propriedades. O início do cultivo do café na região atraiu muitas pessoas para o Estado, que se instalaram então no local. Aqueles que se mudaram para lá e investiram no desenvolvimento da região receberam do Estado um título de propriedade das terras cultivadas e tornaram-se seus proprietários.

Actualmente, Rondônia é o segundo maior produtor de Conilon no Brasil, depois do Espírito Santo. O cultivo do café Conilon tem ali lugar em grande parte em pequenas áreas e vive da dedicação e do trabalho manual das famílias.

O crescimento das plantas na região é muito incoerente e também as fracas infra-estruturas e o baixo nível tecnológico não são as melhores condições para um bom café. O clima na região pode ser muito quente, é húmido e há apenas uma estação seca muito curta. A temperatura média anual situa-se entre os 24,6° a 25,6° Celsius e a precipitação média anual é superior a 1.400 mm. 90% da produção de café em Rondônia é de café Canephora. Apenas na cidade de Vilhena existem algumas plantações de variedades de Arábica.

  • Altitude média: 50 metros
  • Variedade Canephora cultivada: Variedade Conilon.
  • Cidades da região de cultivo: Cacoal, Cafelândia, Ji-Paraná, Rolim de Moura, Vale do Guaporé, Vilhena.


Fazenda Bela Vista, São Paulo, Tambaú
Fazenda Bela Vista, São Paulo, Tambaú



© 2021 Café Aroma - Lisbon Coffee Roasters.
Todos os direitos reservados.