Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Todos os caminhos vão dar Aroma! ☕
Português pt
  • Deutsch de
  • English en
  • Português pt
Carrinho 0

Timor Leste - East Timor

Timor Leste - East Timor - Osttimor


Panorâmica Histórica | A Região de Ermera | As Variedades  | A Etiqueta




Panorâmica Histórica

A ilha de Timor tem uma história turbulenta, cheia de acontecimentos e muito contestada. Os primeiros contactos dos portugueses com a ilha datam dos inícios do século XVI. Após a conquista de Malaca e consequente domínio dos mares e do comércio da região (Insulíndia), o sândalo atraiu os navegadores portugueses, que terão chegado à ilha por volta de 1514. Os primeiros missionários chegavam em 1556.

Timor Leste - mapa
A conquista foi lenta, tendo encontrado muitos obstáculos, desde as resistências locais até aos ímpetos expansionistas de outras nações asiáticas e à conquista holandesa. No final destes processos, Portugal permaneceu senhor de metade da ilha, agora Timor Leste. Após 1974 a política autônoma timorense tornou-se ativa, embora seja notório o atraso com que o novo poder se apresentou a tomar as rédeas do governo local. Após anos de administração pelas Nações Unidas, foi concedida a independência a Timor Leste em 2002. Isto fez de Timor Leste o primeiro Estado a tornar-se independente no século XXI. E o café desempenha um papel importante neste contexto.

Sob o Governador Vitorino Freire da Cunha Gusmão, o café foi cultivado pela primeira vez em 1815 nas regiões costeiras a oeste de Díli. Cunha Gusmão também introduziu a cana de açúcar e iniciou uma produção de rum. Em 1858, o café tinha já atingido uma parte considerável das exportações, juntamente com os antigos produtos comerciais de cera, mel, couro, trigo, tartarugas e cavalos. Nos anos seguintes, a produção de café continuou a crescer e os outros bens de exportação perderam importância. Hoje em dia, o café continua a ser a exportação mais importante do país - nas terras altas cresce um café particularmente aromático e suave. O terreno é maioritariamente constituído por zonas de colinas e montanhas com elevações muito acidentadas. Os pontos mais baixos são o Mar de Timor, o Mar de Savo e o Mar de Banda. Depois, com 2.900 metros de altitude, podemos encontrar o Monte Ramelau, o ponto mais alto de Timor Leste.

As pequenas monoculturas tornam o negócio sustentável, não se utiliza fertilizantes e pesticidas artificiais, e não se pratica a lógica de produção massificada, o recurso a maquinaria é baixo. Processa-se a maior parte do café de forma húmida: escolhem-se os grãos a dedo e remove-se a polpa; depois, estes são mergulhados em água, durante um período de 20 a 30 horas, passando, posteriormente, por um processo de secagem natural ao sol, ou artificial, no lume.

[TOP]


A Região de Ermera

A Região de Ermera situa-se numa vasta área montanhosa de altitude entre 700 e 2.000 metros, sendo que esta geografia e ecologia proporcionam condições ótimas para o cultivo de café Arábica a altas altitudes. Nesta região, os grãos de café por terem uma fase de crescimento e maturação mais prolongada, apresentam ótimas características organolépticas e, se bem processados, podem originar um café de excelente qualidade. Efetivamente, Ermera reúne todas as características necessárias para a produção de café Arábica, possuindo solos férteis aptos para o cultivo de café. As principais cafés cultivadas nesta região são café Arábica e o Híbrido de Timor.

[TOP]



As Variedades

Typica
Typica é uma das variedades de café mais icônicas do mundo. Sua origem remonta ao local de nascimento do café arábica, na Etiópia, e é parte integrante do entendimento sobre os cafés que bebemos hoje. Sua suscetibilidade a pragas e doenças o tornou uma opção menos popular com os plantadores de café; no entanto, seu perfil de chávena de alta qualidade e a capacidade de demandar preços mais altos é algo a ser considerado. Encontrará variedades Typica em todo o mundo, de Blue Mountain na Jamaica a Arábigo na América Central. É o pai de algumas das variedades populares de hoje, como Mundo Novo ou Pacamara.

Catimor
A variedade Catimor foi desenvolvido em Portugal em 1959 por cientistas que procuravam a fórmula mágica de altos rendimentos, alta resistência a doenças e pequenas dimensões de plantas. Esta variedade é um híbrido do Híbrido de Timor (ver abaixo) e a variedade Caturra. A Caturra é uma mutação natural da variedade Bourbon (Grupo Bourbon-Typica, um grupo de alta qualidade).

Híbrido de Timor
O Híbrido de Timor é fruto de um cruzamento natural entre a variedade do café Arábica e do café Robusta, é uma espécie chamada itrogressada ("trazida"). É uma espécie de café Arábica que é menos suscetível a pestes e muito resistente à ferrugem, uma doença que devasta as plantações de café. Este cruzamento botânico foi muito improvável e completamente espontâneo, porque mescla os conjuntos cromossómicos de duas plantas distintas: o Robusta com 22 e o Arábica com 44 cromossomas. Esta, além de ter um valor biológico, por muito tempo foi único no mundo. Graças à sua descoberta na década de 60 do século XX, pode ser atravessada, permitindo a melhoria das plantações de café e munindo-as contra o fungo da ferrugem. O Híbrido de Timor na América Central também é chamado "Tim Tim".

[TOP]



A Etiqueta

Etiquetta do Café Timor Leste - Café Aroma



A Bandeira
A Bandeira de Timor-Leste foi adotada em 2002 - é a mesma que a bandeira de 1975. Segundo a Constituição da República Democrática de Timor Leste, o triângulo amarelo representa os "traços do colonialismo" na história de Timor-Leste. O triângulo preto representa "o obscurantismo que precisa ser superado". A base vermelha da bandeira representa "a luta pela libertação nacional"; enquanto a estrela, ou "a luz que guia", é branca para representar a paz.


O Crocodilo

O Crocodilo - Café de Timor Leste


O pequeno crocodilo na nossa etiqueta é uma homenagem à lenda mítica da origem de Timor: Lafaek Diak - O Bom Crocodilo.

Um crocodilo juvenil de água salgada estava para morrer quando um jovem o encontrou encalhado num pântano longe do mar. Embora com muito medo, o jovem decidiu tentar salvar o crocodilo e acabou por conseguir levá-lo de volta ao mar, onde rapidamente recuperou. Os dois tornaram-se os melhores amigos e continuaram a viajar juntos pelo mundo, com o rapaz montado nas costas do crocodilo enquanto nadava através dos mares. Mas à medida que o crocodilo crescia e chegava o momento de morrer, disse ao jovem que se transformaria numa bela ilha onde ele e os seus filhos poderiam viver até que o sol se afundasse no mar...

Ainda hoje, o crocodilo tem um grande significado simbólico em Timor Leste. Este conto é contado frequentemente em Timor para explicar a forma de crocodilo da ilha e porque é que os Timorenses têm uma afinidade especial com o grande réptil que se diz habitar nos riachos ao longo de grande parte da costa sul do país. Tradicionalmente, é referido como "avô" e há um costume de gritar "crocodilo, eu sou teu neto - não me comas" ao atravessar rios.

-  -  -
" Durante muito tempo, o nosso novo Arábica resistente viveu só na nossa ilha. A nossa ilha é um crocodilo gigante, nós defendemo-lo e ele defende-nos. Mas o vento trouxe-nos sábios homens do café que nos explicaram que o nosso Arábica, o Timor, era o resultado de uma história amorosa entre uma planta arábica e uma planta robusta e que devíamos partilhar esta planta com o mundo e dizer ao nosso protetor, o crocodilo, para deixar o Timor ir ajudar outros como nós que amamos plantas de café. Quando se despediu, disse-nos: não se preocupem com o vosso Timor, eles serão sempre os primeiros, Ulok Timor, onde tudo começou, tudo mudou"
-  -  -


Os Tecidos

Tecido - Timor Leste

O padrão de tecido no pequeno crocodilo é também uma alusão a uma longa tradição em Timor Leste.

Os tecidos que foram produzidos na ilha de Timor durante muito tempo são chamados "tais". A produção destes tecidos tem lugar inteiramente dentro de uma família, desde a fiação à tecelagem numa moldura simples. Este é o trabalho manual das mulheres, que são tidas em grande estima devido ao significado cultural deste trabalho. As armações para a técnica especial de tecelagem ikat, em que o fio é parcialmente tingido antes do processamento, bem como as armações de tecelagem são normalmente construídas pelos homens.

A tradição é ameaçada por vários fatores, incluindo a preferência pelo vestuário moderno entre as gerações mais jovens, a substituição de materiais artesanais locais por alternativas industriais, a geração de rendimentos inadequados e um número cada vez menor de tecelões. Assim, em 2020, o governo de Timor-Leste solicitou à UNESCO o reconhecimento de Tais como Património Cultural Intangível em Necessidade Urgente de Preservação. A inclusão na lista da UNESCO teve lugar em 2021, e em 2022, o Parlamento Nacional de Timor Leste declarou o dia 14 de Dezembro como Dia Nacional do Tais.

[TOP]